Quem é o anti-herói em uma trama e como identificá-lo?

Quem nunca se apaixonou por um anti-herói? Com uma moralidade não muito bem definida, ele cativa, apesar dos seus “deslizes”. Ele prova que é possível torcer por aquele personagem de caráter duvidoso. Não é para menos que os atores adoram interpretar esse tipo de papel.

A verdade é que o público tem procurado cada vez mais essa espécie de narrativa, em que nem tudo é preto ou branco. As nuances nos interessam — e muito!

Quer saber por que o anti-herói faz tanto sucesso? Siga a leitura do post e descubra quem é ele nos filmes. Vamos lá?

Quem é o anti-herói?

Na dramaturgia, trata-se de um tipo de protagonista, mas com uma moral e comportamento que geralmente associamos aos antagonistas — ou vilões.

Exatamente por ser um protagonista falho, ele perturba o espectador com suas fraquezas. Por outro lado, sua simpatia o aproxima do público. Dessa forma, entendemos seus deslizes como fragilidades inerentes à natureza humana.

O anti-herói pode desempenhar diferentes papéis. Ele transita, por exemplo, entre o solitário e o estranho. Também costuma demonstrar distância em relação às pessoas do seu passado, autoestima frágil e vida amorosa conturbada, com muitas falhas.

E esse pacote de imperfeições faz do anti-herói realista, aproximando-o do público, que se identifica com suas contradições.

Também há o tipo que é rebelde e que busca, de todos os modos, a liberdade. Nesse sentido, está disposto a fazer suas próprias leis a partir de sua visão subjetiva de justiça.

De modo geral, o anti-herói está em uma área cinzenta entre o vilão e o cara legal. Por isso, há momentos em que é desagradável mas, em outros é extremamente encantador. São as suas qualidades paradoxais que fazem com que se assemelhe às pessoas reais — mais do que qualquer outro personagem da ficção.

Como identificar um anti-herói?

O anti-herói certamente não reflete os valores mais elevados da sociedade, como honestidade, compaixão, integridade ou força. Por outro lado, há ocasiões em que ele precisa adotar, mesmo que a contragosto, algumas dessas características.

Diferentemente dos mocinhos, que têm qualidade que gostaríamos de imitar, o anti-herói tem falhas, problemas e neuroses que, inclusive, atrapalham a suas relações mais íntimas.

Outra questão que deve ser levada em conta para identificar um anti-herói é que ele geralmente tem algo escondido em seu passado. Pode ser um trauma que o levou a ser quem é.

Isso prova que, assim como acontece na realidade, o anti-herói é fruto do seu passado, principalmente das perdas profundas que talvez tenha sofrido. E é essa história de vida que costuma atrapalhar seus planos no presente.

Aliás, quando o anti-herói é o protagonista do filme, ele geralmente retrata como é difícil escapar do passado e das cicatrizes profundas que ele pode nos deixar.

Com tantas nuances, a criação desse tipo de personagem requer certos cuidados, principalmente para que desperte as reações esperadas no público.

Para começar, é preciso definir se o anti-herói tem um comportamento acidental ou se ele é fruto de eventos de sua história. Isso poque, sua personalidade e natureza farão com que brilhe em cada cena.

Para isso, é preciso investigar a motivação de cada traço ou crença desse personagem. Se ele é rebelde, por exemplo, certamente haverá algo na sua história que justifique esse comportamento.

Mas não é tão simples quanto parece. A personalidade de um anti-herói é complexa e, por isso mesmo, deve ser trabalhada minuciosamente.

Para identificar os anti-heróis, leve em conta que:

  • apesar de suas imperfeições, secretamente gostaríamos de nos comportar como eles;
  • não são afeitos ao glamour ou à boa aparência;
  • são motivados pela autopreservação e pelo interesse próprio, mas diferentemente dos violões, há uma barreira que eles não ousam cruzar;
  • o que os motiva pode variar da vingança à honra;
  • o errado sempre lhes parece mais fácil;
  • costumam jogar dos dois lados, aproveitando o que bandidos e mocinhos têm a lhes oferecer;
  • podem ter atitudes preconceituosas e até reações violentas quando se sentem injustiçados;
  • não costumam demonstrar remorso;
  • são cheios de contradições;
  • podem ter um arco de personagem no qual são redimidos até o final da história.

Quem são os anti-heróis mais famosos do cinema?

Confira a lista dos anti-heróis que roubaram o coração do público transitando entre dois mundos.

Deadpool

Com uma personalidade carismática e muito humor ácido, Deadpool fez sucesso nos cinemas. O Mercenário Tagarela fala diretamente com o público, ajudando violões ou heróis. Isso porque sua regra número 1 é não ter regras.

Deadpool é irreverente e imprevisível, como todo anti-herói deve ser.

Alex DeLarge

Alex DeLarge, do filme Laranja Mecânica, foi um dos primeiros anti-heróis do cinema moderno. Foi também um dos mais polêmicos, principalmente pelo seu caráter sádico.

Seus atos incluem muita violência, assassinatos e uso de drogas. Porém, em determinado ponto da trama, ele passa a ser encarado como uma vítima da sociedade, ganhando a cumplicidade do público.

Michael Corleone

Esse anti-herói está no epicentro de uma verdadeira tragédia grega em O Poderoso Chefão. Ao praticamente ser obrigado a se vingar, o filho favorito descobre que é bom ser mau.

Seus dramas familiares o aproximam do público, mas, diferentemente do que acontece em Laranja Mecânica, esse anti-herói, ao final, transforma-se em vilão.

Beatrix Kiddo

A Noiva, de Kill Bill, é marcada pelo sofrimento. Ela até tenta levar uma vida normal depois de trabalhar como assassina profissional, mas acontecem alguns “imprevistos” que a tiram do caminho do bem novamente.

Isso já é o suficiente para ganhar a simpatia do público, apesar de estar longe de ser um exemplo a ser seguido.

Lisa Rowe

Uma sociopata capaz de manipular a todos ganha o apoio do público no filme Garota Interrompida. A personalidade de Lisa Rowe é tão complexa que fascina suas colegas da clínica.

Assim como elas, os espectadores tentam entender as motivações da personagem e, aos poucos, vão se identificando.

Scarlett O´Hara

Desde a primeira cena em que aparece em E O Vento Levou, fica claro que Scarlett é mimada e egocêntrica. Quer roubar o marido de sua prima e usa as pessoas como bem quer para concretizar seus planos.

Mas no decorrer da história, uma sucessão de sofrimentos faz com que o público mude seu conceito sobre ela.

Enfim, o anti-herói sempre esteve presente no cinema. Essa antítese do herói bom caráter e competente conquista o público por meio da identificação. Afinal, na vida real, somos complexos em meio aos nossos defeitos e qualidades.

Gostou do artigo? Então, siga-nos nas nossas redes sociais e fique por dentro de temas ligados ao cinema e à produção audiovisual. Estamos no Facebook, no Instagram, no Twitter, no YouTube e no LinkedIn.


Deixe seu e-mail e receba

Convite para eventos gratuitos, entrevistas e dicas, promoções e descontos