“Bixa Travesty” ganha Prêmio no Festival de Berlim

Linn da Quebrada, bixa travesty
Em suas músicas, em seus discursos e em seu cotidiano, a vida nada fácil de Linn é apresentada. A “travesty” (grafia que ela prefere) é desafiada nas ruas. Sofrendo preconceitos, Linn se coloca longe de figura de vítima e vai para o enfrentamento.

O documentário “Bixa Travesty” ganha Prêmio de Melhor documentário com temática LGBTI no 68º Festival Internacional de Cinema de Berlim.

Dirigido por Kiko Goifman – professor convidado do curso de documentário da Academia Internacional de Cinema (AIC) – ,  em parceria com a diretora Claudia Priscilla, o filme conta a história da artista transgênero Linn da Quebrada e como ela enfrenta o machismo e as diversas formas de transfobia no país que mais mata transexuais no mundo.

Essa foi a edição do festival que mais premiou filmes brasileiros, além do documentário, outras 11 produções saíram vitoriosas, entre eles “Tinta Bruta” de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, “Aeroporto Central” de Karim Ainouz, “O Processo” de Maria Augusta Ramos e “Ex-Pajé” de Luiz Luiz Roberto Bolognesi.

Guia - Responsabilidades do Diretor de Fotografia

Faça o donwload do Guia de Responsabilidades do Diretor de Fotografia
Curso de Documentário AIC

O curso começa dia 03/02 em São Paulo e dia 10/02 no Rio de Janeiro e oferece aos alunos as ferramentas para a construção narrativa e estética de documentários, proporcionando uma visão do gênero em suas diferentes vertentes e linguagens, a partir da realização de um curta-documentário. Saiba mais aqui.


Deixe seu e-mail e receba

Convite para eventos gratuitos, entrevistas e dicas, promoções e descontos