Los Silencios e Bixa Travesty recebem prêmios no Festival de Brasília

O filme Los Silencios, dirigido e roteirizado por Beatriz Seigner, ex-aluna da Academia Internacional de Cinema (AIC), ganhou o prêmio de melhor direção e melhor filme pela crítica Abraccine no 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. O longa, que estreou em maio na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, narra a história de Amparo (Marleyda Soto), que tem que lidar com o desaparecimento da filha e do marido (Enrique Diaz), enquanto espera seus documentos para passar pela fronteira entre o Brasil, a Colômbia e o Peru, fugindo dos conflitos armados na região.

O documentário Bixa Travesty, dirigido pelo professor do curso de documentárioKiko Goifman em parceria com a diretora Claudia Priscilla ficou com os prêmios de melhor trilha sonora, melhor longa eleito pelo Jurí Popular e Menção honrosa do Júri.

O filme conta como a artista transgênero Linn da Quebrada enfrenta o machismo e as diversas formas de transfobia. Longe da figura de vítima, Linn enfrenta os preconceitos (do país que mais mata transexuais no mundo) e canta sua música: “A minha pele negra é meu manto de coragem”.

Conheça todos os premiados da Mostra Competitiva

Longa-metragem

Melhor filme (Prêmio Técnico Dot Cine): Temporada
Melhor direção: Beatriz Seigner (Los Silencios)
Melhor ator: Aldri Anunciação (Ilha)
Melhor atriz: Grace Passô (Temporada)
Melhor ator coadjuvante: Russão (Temporada)
Melhor atriz coadjuvante: Luciana Paes (A Sombra do Pai)
Melhor roteiro: Ilha, Ary Rosa e Glenda Nicácio
Melhor fotografia: Temporada, Wilsa Esser
Melhor direção de arte: Temporada, Diogo Hayashi
Melhor trilha sonora: Bixa Travesty
Melhor som: A Sombra do Pai, Gabriela Cunha
Melhor montagem: A Sombra do Pai, Karen Akerman

Júri Popular

Melhor longa-metragem (Prêmio Petrobras de Cinema e Prêmio Técnico Canal Curta!): Bixa Travesty

Prêmio Especial do Júri

Longa-metragem: Torre das Donzelas

Menção honrosa do Júri

Bixa Travesty, pelo posicionamento e impactante apresentação da dupla Linn da Quebrada e Jup do Bairro

Curta-metragem

Melhor filme (Prêmio Técnico Dot Cine): Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados
Melhor direção: Nara Normande (Guaxuma)
Melhor ator: Fábio Leal (Reforma)
Melhor atriz: Maria Leite (Mesmo com tanta agonia)
Melhor ator coadjuvante: Uirá dos Reis (Plano Controle)
Melhor atriz coadjuvante: Noemia Oliveira (Eu, minha mãe e Wallace)
Melhor roteiro: Reforma, Fábio Leal
Melhor fotografia: Mesmo com tanta agonia, Anna Santos
Melhor direção de arte: Guaxuma, Nara Normande
Melhor trilha sonora: Guaxuma, Normand Roger
Melhor som: Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados, Nicolau Domingues
Melhor montagem: Plano Controle, Gabriel Martins e Luisa Lana
Menção honrosa de atriz coadjuvante: Mesmo com tanta agonia, Rillary Rihanna Guedes

Foto Juliana Vasconcelos


Deixe seu e-mail e receba

Convite para eventos gratuitos, entrevistas e dicas, promoções e descontos