Professores e Alunos concorrem ao Prêmio ABC 2016

Chico Dias em Oração do Amor Selvagem, que conta com direção de arte dos professores Dicezar Leandro e Monica Palazzo. Foto: Sabrina Bertolini

Chico Dias em Oração do Amor Selvagem, que conta com direção de arte dos professores Dicezar Leandro e Monica Palazzo. Foto: Sabrina Bertolini

A Associação Brasileira de Cinematografia divulgou ontem (21) a lista dos filmes que concorrem a uma vaga entre os finalistas do Prêmio ABC 2016. Dentre os concorrentes estão alunos e professores da Academia Internacional de Cinema (AIC).

Dos 25 filmes concorrentes ao prêmio de Melhor Direção de Fotografia para Filme Estudantil, seis são de alunos da AIC. Além da categoria de estudantes, os filmes concorrem nas categorias de Melhor Direção de Fotografia para Longa-Metragem de Ficção, Melhor Som para Longa-Metragem de Ficção, Melhor Direção de Arte para Longa-Metragem de Ficção, Melhor Montagem para Longa-Metragem de Ficção, Melhor Direção de Fotografia para Documentário em Longa-Metragem, Melhor Direção de Fotografia para Série de TV e Melhor Direção de Fotografia para Filme Publicitário.

Os concorrentes da categoria Melhor Direção de Fotografia para Curta-metragem serão conhecidos no próximo dia 07 de abril, após serem selecionados por uma comissão composta por sócios da ABC.

A3 1-2 KG_finalA cerimônia de premiação acontecerá no dia 14 de maio, na Cinemateca Brasileira, em São Paulo.

Dentre os filmes que concorrem ao prêmio de Melhor Direção de Fotografia para Filme Estudantil estão:

  • ½ KG, dirigido pela aluna Andréa Mendonça e com direção de fotografia do ex-aluno Alexandre Calado que cursaram o FILMWORKS em São Paulo. O filme já passou por mais de 14 festivais e conta a história da carroceira D. Eliana, de 63 anos, que mora numa ocupação do movimento sem teto “Frente de Luta por Moradia”, na cidade de São Paulo.
  • A PÁGINA, dirigido pelo aluno Guilherme Andrade de Miranda de apenas 19 anos, que também cursa o curso técnico em direção cinematográfica na AIC de São Paulo e conta com a direção de fotografia do aluno Paulo Fischer. Sobre redução da maioridade penal, o filme mostra a realidade de mães ligadas por um crime, uma é a mãe do assassino e a outra da vítima.
  • NÚMERO E SÉRIE, dirigido pela aluna Jéssica de Queiroz com Direção de Fotografia do aluno Luiz Augusto Moura, ambos alunos da AIC São Paulo. O filme já passou por 5 festivais e conta a história de quatro alunos da periferia de São Paulo que tentam desvendar um mistério que ronda os muros da escola.
  • ENCONTRO ÁS CEGAS, com direção de Isabela Costa e fotografia de Pedro Fontoura, que cursaram o FILMWORKS na AIC Rio de Janeiro, conta a história de um vampiro cego que atrai vítimas para a sua casa por meio de um aplicativo de celular, até que uma surpreendente chegada muda o rumo da noite.
  • serie ze do caixao OFÍCIO, dirigido pelo aluno Tomás Marques e com direção de fotografia de Victor Lamas, ambos da AIC Rio de Janeiro, conta a história de Heitor, um velho monge sem crenças e sem muito ânimo pelo seu ofício, segue em seus rituais robóticos celebrando suas missas, onde somente há um único fiel assistindo. Em uma certa noite, algo acontece no quarto de Heitor e o faz mudar a sua postura passiva.
  • GRETA, tem direção dos alunos da AIC Rio, Ana Salek e Gabriel Sales e direção de fotografia de André Magalhães. O filme é a representação de uma identidade em trânsito. A partir de memórias fragmentadas de uma noiva, busca-se o lugar do feminino como plasticidade e criação, no embate com vozes difusas que a interpelam em sua trajetória.

Entre os longas de ficção e séries de TV que concorrem no Prêmio ABC 2016, estão:

  • ORAÇÃO DO AMOR SELVAGEM, filme do catarinense Chico Faganello, conta com a direção de arte dos professores Dicezar Leandro e Monica Palazzo. O longa traz grandes atores no elenco, Chico Diaz, Sandra Corveloni (Palma de Ouro em Cannes por “Linha de Passe”), Ivo Muller (“Tabu”), Georgina Castro (“O Céu de Suely”), Adilson Maghá, Gringo Starr e conta com a trilha sonora de Zeca Baleiro. A história, sobre fanatismo e violência religiosa, é inspirada em fatos reais e narra a saga de Thiago (Chico Diaz), um homem que desafia os representantes das leis divinas no vilarejo em que mora com o objetivo de viver em liberdade e proteger sua filha pequena.

    Número e Série, da aluna Jéssica Queiroz, conta a história de quatro alunos, Querô, Baleia, Diadorim, e Pedro Bala, que   tentam desvendar um mistério que ronda os muros de uma escola da periferia de São Paulo.

    Número e Série, da aluna Jéssica Queiroz, conta a história de quatro alunos, Querô, Baleia, Diadorim, e Pedro Bala, que
    tentam desvendar um mistério que ronda os muros de uma escola da periferia de São Paulo.

  • RIO CIGANO, filme de Julia Zakia, também leva a assinatura da diretora de arte e professora Monica Palazzo. Com narrativa inspirada na tradição oral cigana, o filme conta a história de duas meninas ciganas, Kaia e Reka, violentamente separadas na infância e criadas em mundos distantes.
  • ZÉ DO CAIXÃO, série de TV inspirada na trajetória pessoa e artística de José Mojica Marins. A série conta com a direção de Vitor Mafra e o roteiro é assinado por André Barcinski, Vitor Mafra e pelo ex-aluno e hoje professor de roteiro da AIC de São Paulo, Ricardo Grynszpan. O ator Matheus Nachtergaele dá vida ao Mojica/Zé do Caixão e encarna o personagem do terror brasileiro como ninguém, com direto a barba falsa e muita unha postiça.