O cinema de Pier Paolo Pasolini para se levar no bolso

O ex-aluno da Academia Internacional de Cinema (AIC), Davi Kinski, acaba de lançar seu livro “Pasolini, do Neorrealismo ao Cinema Poesia” com prefácio de Franthiesco Ballerini, coordenador dos cursos de História do Cinema e Estudos de Direção, (no qual faz uma análise de alguns dos principais diretores).

A PRIMEIRA VEZ COM PASOLINI

E foi exatamente numa dessas aulas, que Davi se encantou ainda mais pelo diretor. O primeiro contato com a obra de Pasolini foi por meio do filme “As Mil e uma Noites” e “bem na puberdade”, revela ele aos risos: “foi uma bomba aos meus hormônios, lembro-me de sair de casa um pouco nervoso para comprar um brigadeiro na padaria (só o chocolate salva nessas horas). Eu não havia elaborado ainda toda complexidade da obra, porém ali o “bichinho” da provocação já havia me picado, e então só fui me aprofundando em sua filmografia. Confesso que nessa época não havia me atentado que Pasolini era poeta, mas com as aulas do professor Franthiesco Ballerini de grandes diretores na AIC fui me espantando cada vez mais ao desvendar todas as facetas de Pasolini. Foi paixão a primeira lida; assim que comecei a ler seus poemas e romances fui me fascinando cada vez mais com seus ensaios críticos, com discursos de extrema contundência e observação ao mundo globalizado e burguês. Fui me identificando cada vez mais com suas ideias, elas me influenciaram fortemente em minha formação pessoal”.

Livro: Pasolini, do Neorrealismo ao Cinema Poesia de Davi Linski - Foto: Divulgação

Livro: Pasolini, do Neorrealismo ao Cinema Poesia de Davi Kinski – Foto: Divulgação

SOBRE O LIVRO

A ideia do livro surgiu com a percepção de que não existiam muitos livros de bolso sobre Pasolini, revela Davi. Além disso, o autor comenta que seu maior interesse sempre foi a democratização da poesia, cinema e literatura, “somos um país que não lê, portanto, fiz um livro para interessados em cinema em geral terem seu primeiro contato com o pensamento “Pasoliniano”. Para mim, todas as maiores obras dele, assim como as já escritas em língua portuguesa sobre ele, estão lá citadas”. E a obra também tem o poder de incentivar as pessoas a conhecer o legado de grandes diretores, como Pasolini.

O professor Franthiesco comenta que na internet tem muitas informações sobre o diretor, porém, “são mais técnicas sobre seus filmes, bem como a biografia dele. No livro, o Davi faz belíssimas reflexões sobre as conexões entre seus filmes e suas poesias. Essas reflexões não se encontram fácil por aí. Vale a pena ler”.

O prefácio escrito por Ballerini tem um gostinho especial para aluno e professor, “eu escolhi o professor Franthiesco porque, primeiramente, admiro o seu trabalho e visão de cinema, mas também por ter me desvendado todas as facetas do poeta e cineasta, além do mais me orientou fortemente neste que também foi meu trabalho de conclusão no curso Filmworks”. 

Já para Franthiesco ter sido escolhido foi uma forma de ver seu trabalho dando frutos, “o Davi fez parte da minha primeira turma na AIC, no primeiro semestre de 2009. Lembro-me de chegar nervoso para a primeira aula, pois até então, eu tinha apenas experiência de crítico de cinema, no Estadão, e de professor de inglês. Ele foi literalmente minha primeira experiência docente na área de cinema. E fico muito feliz de saber que fiz um trabalho que o ajudou a desenvolver o livro”.

Davi kinski - Foto: Divulgação

Davi kinski – Foto: Divulgação

SOBRE O AUTOR

Davi escreve poesia desde os 15 anos, mas já fez muitas coisas, pois como ele mesmo se intitula “é um inconformado”. “Comecei com 10 anos no teatro, e me formei aos 18. Fiz Cinema, na Academia Internacional de Cinema, e me formei com 22 anos. Já dirigi sete curtas-metragens, escrevi o livro de poesia, “Corpo Partido”, fui indicado para Melhor Ator, no Festival de Gramado em 2008, em atuação no filme “Nome Próprio”, de Murilo Salles e no teatro, já participei de muitas peças”.

QUEM FOI PIER PAOLO PASOLINI

Cineasta, poeta, dramaturgo, escritor italiano. Conhecido por sua poesia narrativa, alguns o consideram até hoje o maior poeta da imagem que já tivemos, porém seus trabalhos sempre geraram muita controvérsia, sua característica não é expressa em um senso comum do que é o belo.

Em seus filmes, Pasolini criticava bastante a estrutura do governo italiano e toda a sociedade capitalista, em “Pocilga” faz um retrato metafórico da degradação humana resultado da sociedade de consumo, a qual não preza pela essência do ser humano, mas sua capacidade de consumo. Um cinema inquietante. E também dirigiu os filmes da Trilogia da Vida com conteúdo erótico e político: “Decameron”, “Os Contos de Canterbury” e “As Mil e Uma Noites”.

E apesar de ser bastante ácido, e ter sofrido duras críticas da igreja católica por seus filmes, no ano de 2014, o Vaticano declarou que “O Evangelho Segundo São Mateus” é o melhor filme já feito sobre Jesus Cristo.

Sua trágica morte, ainda hoje, é uma incógnita, pois após ter cumprido pena, o assassino confesso afirmou não ter matado o cineasta, e hoje as conclusões da época, realmente não se sustentam. Uma morte que parece saída de um dos seus filmes.

SERVIÇO

O lançamento foi na Bienal Internacional do Livro, pela editora Laranja Original, estreante no mercado, que se propõe a publicar conteúdos poéticos, sejam biografias, poemas, romances, ensaios etc. O livro pode ser encontrado no site da editora: www.laranjaoriginal.com.br ou em breve nas livrarias.

No dia 13 de setembro, Davi estreará seu projeto “Poemaria”, “que é uma série de ações que consiste em várias ações para democratizar a poesia em nosso dia a dia. E nesse dia, estaremos com o projeto no Reserva Cultural, na Av. Paulista 900, às 20 horas, vamos estrear nosso portal www.poemaria.com.br e o primeiro aplicativo do mundo de declamações e divulgador de poesia, o DECLAMAÍ. Em tempos de inúmeras possibilidades de o sujeito aparecer na internet, tirar selfies, mostrar o que vai jantar ou o que está pensando, por que não, usar a grande rede como um disseminador de poesia? Convido a todos nesse momento conturbado que estamos, a espalhar beleza na rede virtual e não horror! Precisamos nos comunicar, precisamos ouvir, precisamos nutrir a palavra de significado, vamos declamar!!”