Curta ‘Cohab’ é exibido no Entretodos 5

Depois da estreia no Festival Cine Favela, no mês passado, agora é a vez do curta Cohab ser exibido na mostra competitiva do Entretodos – 5° Festival de Curtas Metragens de Direitos Humanos, que acontece simultaneamente em 31 locais da região metropolitana de S. Paulo e também na cidade de Paraty (RJ), de 29/11 a 03/12 .

A ideia do festival é descentralizar a informação e privilegiar  a reflexão acerca das questões dos Direitos Humanos junto ao público expectador. Cohab será exibido às 14h30, desta quinta, 29, no Senac Jabaquara e contará com a presença de Lincoln Péricles, diretor e aluno do Filmworks da Academia Internacional de Cinema (AIC), para um debate após a sessão (veja outras datas e locais no final dest post).

A história se passa na região do Capão Redondo, bairro de periferia localizado na zona sul da capital paulista, onde Lincoln mora desde que nasceu. “A ideia do curta é mostrar um olhar de dentro para fora, acompanhando um dia sóbrio num prédio da Cohab Adventista: as crianças, os amigos, os blocos do condomínio popular”, explica o diretor. “Não falo da especificamente da violência, apesar dela ser parte importante para entendermos as coisas, de forma que acredito que ela esteja no imaginário de quem vê.”, complementa.

O curta foi feito paralelamente ao curso da AIC, que Lincoln finaliza este ano. Feito de forma independente, Cohab foi produzido Astúcia Filmes – um coletivo audiovisual do qual ele participa junto de outros colegas. “Coletivos são uma alternativa ao mercado que esmaga e escolhe somente ‘os melhores’. Os coletivos funcionam de uma maneira muito mais humana e sincera”, acredita o diretor.


A ideia de Cohab, segundo Lincoln, surgiu na ilha de edição: “É um filme artesanal, comecei a fazê-lo a partir de imagens captadas para outros filmes. Tentei expressar um vazio muito pessoal e específico, que está dentro desse contexto de estar num lugar ‘esquecido’ pelos outros, à margem de São Paulo e seu luxo fajuto. O que me despertou para falar da minha própria realidade foi o mesmo desejo que me despertou esses dias de escrever uma poesia.”

O documentário não teve uma pré-concepção, no sentido clássico da produção de um curta. “Foi acontecendo sem me prender às regras formais. Na verdade houve um certo planejamento interno no meio disso tudo, uma precisão quase mecânica de uma certeza que tenho: a de que quero fazer filmes”.

Por enquanto, Lincoln Péricles segue fazendo…

Veja abaixo a entrevista que a reportagem da AIC fez com o diretor. E, logo depois, assista ao teaser do curta Cohab.

AIC - Seu curta escapa um pouco à forma clássica de se produzir um filme, surgiu na ilha de edição enquanto você trabalhava com outras imagens. Como foi esse processo criativo?
Lincoln Péricles - Cada filme é que dita como devo realiza-lo, não posso me apegar ao padrão ou fazer filmes porque os outros querem que eu faça, tenho que fazer porque eu quero. Se o filme for pra ser produzido ‘da forma clássica’ também não vejo problema nenhum nisso, já filmei nessas condições. O que não pode é achar que existe ‘uma forma’ de se produzir, isso é muito pequeno.

AIC - Depois do Cine Favela, o filme será passado no Entretodos, que é um festival de Direitos Humanos. Você acredita no papel conscientizador que o cinema pode ter?
Lincoln Péricles - Acredito que a arte por si só já é revolucionária, porque luta contra dogmas religiosos, filosóficos e sociais. O cinema reflete o mundo no qual vivemos e o mundo no qual vivemos está todo zuado. Um filme sempre é feito por pessoas e elas talvez tenham um papel muito maior na divulgação dos Direitos Humanos do que o próprio filme em si.

AIC -   Tanto no Cine Favela como no Entretodos são promovidos debates com o público depois das exibições. Esse contato com a audiência acontece diretamente no teatro, pela própria natureza da apresentação ao vivo, no palco. No cinema, ela só é promovida mesmo em eventos especiais como estes. Como é pra você ter a reação direta dos expectadores, ainda no calor do filme?
Lincoln Péricles
 -É um contato interessante! Perigoso! Divino! Maravilhoso! Só é ruim quando cai no banal de te pedirem pra explicar o filme. A discussão sempre me interessa, mas a gente só explica pra confundir mesmo, como diz o Tom Zé. No Brasil tem essa moda de levar diretor pras sessões e tentar fazer dele o superstar, não é uma coisa que me interessa.Quero só fazer meus filminhos.

AIC -  E daqui pra frente, o que você pensa para o curta Cohab?
Lincoln Péricles - 
Vamos distribuir o Cohab por outros lugares, vamos mandar o filme para várias quebradas, pra pessoas que estão exibindo filmes em periferias, escolas e saraus… Outra coisa que me interessa é gerar a discussão pela internet, por isso sempre dou um jeito de lançar os filmes online. Acredito que seja uma ferramenta incrível, principalmente nesse contato direto com o público.

Teaser de Cohab

Ficha Técnica:

Roteiro/ Direção/ Montagem: Lincoln Péricles
Produção: Nair de Lourdes
Fotografia: Lincoln Péricles e Thiago Briglia
Desenho, Edição e Mixagem de Som: Lincoln Péricles
Cohab é uma produção do coletivo Astúcia Filmes.

DATAS E HORÁRIOS do COHAB no 5º ENTRETODOS:
O filme está na programação “códigos” do festival.
30/11 – sexta
10h - Jabaquara - CEU Caminho do Mar – Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 5241
18h - Itaquera - Praça Brasil
19h30 - M’Boi Mirim - CEI Figueira Grande I – Rua Gaspar do Rego Figuereiso, 499 (+ Debate Ecologia)
20h - Vila Mariana - Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso, 207

01/12 – sábado
09h  - São Miguel Paulista - Parque Vila Jacuí – Altura do km 23 da Rodovia Ayrton Senna
10h - Aricanduva - CEU Formosa – Rua Sargento Claudiner Evaristo Dias, 10
13h - Cidade Tiradentes - Espaço da Juventude – Avenida dos Metalúrgicos, 2.520
14h  - Santana / Tucuruvi - Clube Escola Jardim São Paulo – Endereço: Rua Viri, 425
20h - Ermelino Matarazzo - Praça Central, Jd Keralux

Créditos:

Reportagem e edição: Paulo Castilho.
Fotos: divulgação.