Crescimento do Mercado Audiovisual

O cinema nacional passa por uma fase boa. Algumas novidades parecem aquecer o mercado, como a nova Lei n. 12.485, que propõe novidades para as TVs pagas e privilegiam a produção nacional, exigindo, por exemplo, ao menos três horas e meia de atrações semanais brasileiras no horário nobre da programação. Outros fatores são o crescimento das novas tecnologias, a variedade de mídias disponíveis no mercado e a popularização das TVS por banda larga. Segundo o portal “Filme B”, especializado no mercado do cinema brasileiro, em 2009 o público de filmes brasileiros cresceu 76% em relação a 2008. E continua crescendo.

“Com a entrada da TV Digital no Brasil e com o aumento de clientes das TVs por assinatura, vamos viver em pouco tempo um maior aquecimento do mercado audiovisual. Para atender a demanda, muitas produtoras e produtores independentes terão a oportunidade de propor e produzir conteúdo para esses meios. Um termômetro que comprova essa tendência é a quantidade de pitchings para TVs que abriram nos últimos tempos. Sem dúvida essa é uma ótima oportunidade de mercado para videomakers, cineastas e documentaristas”, conta a professora e coordenadora de produção da AIC, Alessandra Haro.

O site Tela Brasileira, que anuncia vagas específicas do setor, é um bom exemplo desse crescimento. Todos os dias uma média de cinco novas vagas são colocada no ar. Entre as vagas anunciadas nos últimos dias estão as de sonoplasta, apresentador, assistente de produção, editor, cinegrafista, operador de VT, técnico em gravação de dublagem entre outras. “O número médio mensal de vagas de emprego anunciadas e colocadas diretamente no Tela Brasileira por empresas registradas no site,  dobrou nos últimos dois anos. Em 2009, a média foi de 80 empregos por mês. Em 2012, foi de 155 vagas anunciadas por mês. Um aumento de 100% em dois anos. Nossa espectativa é que este crescimento continue em 2012”, revela Toby Calder, diretor do Tela Brasileira.

Com as novas demandas, profissionais e estudantes buscam cursos para se especializar. “O mercado da área está tão exigente, as tecnologias mudam com tanta rapidez que não dá pra ficar só com a faculdade, a gente precisa se manter atualizado sempre, fazer cursos de extensão, ler muito, participar de grupos de discussão são uma obrigação do profissional de TV e cinema”, diz o editor Michael Henrique Octávio.

Durante os meses de férias, a AIC recebe cerca de 300 alunos em busca de aprimoramento profissional e atualização. Um dos cursos mais procurados nas férias é o Intensivo de CINEMA DIGITAL, que há seis anos é oferecido em janeiro e julho. “É um dos cursos mais tradicionais da AIC – reúne pessoas criativas vindas de diversas partes do país, que chegam com ideias e aqui colocam em prática, saem com um filme no currículo”, diz Flávia Rocha, Diretora de Comunicação da AIC.

Além do Intensivo de Férias, a AIC oferece diversos cursos em julho, como intensivo de direção de arte, intensivo de direção de atores, intensivo de roteiro, intensivo de edição, entre outros. Confira todos os INTENSIVOS ofertados em JULHO.

 

*Foto tirada durante a aula de Fotografia Avançada na empresa Barcelona Filmes