Prêmio Estímulo de Curta Metragem

Que tal ganhar 80 mil reais para produzir seu curta-metragem? Está aberto o edital do Prêmio de Estímulo de Curta-Metragem 2014, realizado pela Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo. Ao todo serão 15 projetos selecionados, sendo que 5 dos contemplados serão de proponentes domiciliados fora da capital.

O Prêmio existe desde 1968 e é um dos primeiros criados para incentivar exclusivamente a produção de curtas. Todo ano são selecionados projetos, por meio de edital público, para receber o apoio financeiro para a à realização de filmes nos gêneros ficção, documentário e animação.

Para se inscrever

Para se inscrever o proponente (pessoa física) precisa ser de São Paulo, ter de uma ideia para uma obra audiovisual brasileira de produção independente com duração máxima de 25 minutos, que poderá ser captado em película ou digitalmente.

As inscrições podem ser feitas pessoalmente ou por correio até o dia 13 de agosto. A documentação é simples e pode ser conferida no edital. Cada tipo de obra precisa de determinadas informações no projeto. No caso de obra de ficção, o envelope do projeto deve conter: identificação; sinopse (15 linhas); roteiro completo detalhado (no máximo 26 páginas); proposta de direção (máximo de 5 páginas expondo aspectos conceituais, estéticos, plásticos e narrativos do curta); e orçamento detalhado.  Claro que aqui, estamos citando os tópicos de forma simples. Para entender direitinho como inscrever sua ideia é preciso ler o edital com calma e se antenar em cada detalhe, já que um bom projeto pode ser desclassificado por falta de documentação.

Dicas da produtora Luiza Favale

Formada em Audiovisual pela ECA/USP, com especialização em Produção de Cinema e Televisão pelo Instituto Del Cine de Madri, na

Luiza Favale

Para a professora da AIC, Luiza Favale, o mais importante O mais importante é a originalidade e a relevância do projeto.

Espanha, Luiza Favale é professora do curso de Produção Executiva da Academia Internacional de Cinema (AIC) e atua nas áreas de produção, produção executiva e roteiro. Desde 2007 trabalha na Glaz Entretenimento, onde atuou como coordenadora executiva nos filmes “Copa de Elite”, “Odeio o Dia dos Namorados”, e nas séries “Historietas Assombradas para Crianças Malcriadas”, “Vida de Estagiário”, entre outros.

Em entrevista para a AIC ela preparou algumas dicas para quem pretende inscrever um projeto, confira:

AIC – No edital de estimulo de curta-metragem serão selecionados 15 curtas, com prêmios de R$ 80 mil por curta. Quem pode se inscrever?

Luiza Favale: O prêmio Estímulo de curta-metragem é aberto a pessoas físicas que comprovadamente residam no Estado de São Paulo há mais de 02 anos, e que não tenham dirigido filmes de longa-metragem. Os proponentes que passarem para a segunda fase terão que indicar uma empresa também sediada em SP há mais de 02 anos para firmar o contrato com a Secretaria.

AIC – O que é analisado pelos “jurados – curadores”? Como se destacar em meio a tantos projetos que serão enviados?

L.F.: O mais importante é a originalidade e a relevância do projeto. No caso de projetos de ficção e animação a qualidade do roteiro é um dos fatores preponderantes. Em animação, a qualidade visual das artes de conceito ou do storyboard apresentados também contam muito. No caso de projeto de documentário, uma boa pesquisa já feita e a indicação de personagens dá força ao projeto. Evite falar apenas do tema no projeto, tente deixar o documentário o mais palpável possível. Isso pode exigir uma pesquisa inicial mais extensa. A viabilidade também é importante: mostrar que é possível (e de que forma) realizar o filme com o prêmio do edital.

AIC – Muita gente tem ideias para curtas, mas poucos tem paciência para inscrever suas ideias em editais, já que isso exige um monte de adequações, escrever justificativas e defender o projeto. Sem contar na formatação de tudo. O cineasta que está começando geralmente não tem a figura de um produtor cultural ou alguém da área de produção e faz tudo sozinho, na raça. Como fazer tudo isso, sem deixar passar nada?

L.F.: Realmente é muito comum que diretores e roteiristas em início de carreira escrevam os próprios projetos. Projetos de curta-metragem são mais simples, e com paciência e organização é possível fazer isso sem transformar a tarefa num bicho de sete cabeças. É muito importante que o edital seja lido completamente, com seus pontos principais destacados. Normalmente eles possuem um capítulo que explica passo a passo qual a documentação a ser entregue e de que forma ela deve ser organizada. O mesmo acontece com o projeto técnico: o edital diz exatamente quais textos devem ser enviados e em que ordem. Sempre coloque os documentos e informações na ordem indicada, e preste atenção se as páginas devem ou não ser encadernadas. Atente-se ao máximo de páginas permitidas em alguns textos. Não entregar o projeto nos moldes solicitados no edital é passível de inabilitação no edital. Sempre que surgir uma dúvida, entre em contato com o órgão que organiza o edital, eles costumam responder as dúvidas por telefone ou e-mail.

AIC – Qual a dica para montar um orçamento adequado?

L.F.: Para fazer o orçamento é necessário fazer um levantamento de todas as necessidades do projeto. Uma boa dica é começar pelo cronograma de realização. Quanto mais rápido for feito o filme, mais econômico em termos de locação de equipamentos, cachê de equipe, locações, etc. Muitas vezes após realizar o orçamento vemos que é inviável filmar o roteiro inicial, e é necessário um novo tratamento de roteiro para simplificar algumas cenas e deixar o projeto factível com os recursos disponíveis.

AIC – E na PROPOSTA DE DIREÇÃO o que é legal destacar. Qual a dica?

L.F.: Na proposta de direção é importante que se coloque qual a “cara”, o tom do filme e o ritmo do filme. É possível fazer referência a outras obras audiovisuais ou de outras áreas como artes plásticas, música ou teatro. Uma dica que pode ajudar é o diretor falar das áreas do filme separadamente: Decupagem, Fotografia, Som, Direção de Arte, Direção de Atores, Montagem, etc., mostrando como vai fazer todos os elementos do filme confluirem para um resultado harmônico e que tenha a ver com o roteiro apresentado.

Programa de Fomento ao Cinema Paulista

Também está aberto o edital do Programa de Fomento ao Cinema Paulista que contará com R$ 8 milhões, investidos pela Sabesp, por meio da Lei Rouanet. Serão distribuídos prêmios para produção e finalização de filmes em longa-metragem nos gêneros ficção, animação e documentário. Na modalidade produção, o valor máximo de apoio será de R$ 800 mil para cada projeto, totalizando R$ 6 milhões. O valor restante será destinado aos projetos de finalização, com prêmios individuais de R$ 300 mil, totalizando R$ 2 milhões.