Pipa na Rocinha é tema de doc. de ex-aluno e sai na capa do New York Times

Capa do NYT falando sobre o documentário Kite Fight.

Capa do NYT falando sobre o documentário Kite Fight.

Quem disse que soltar pipa não dá futuro? O ex-aluno Guilherme Tensol – um apaixonado por pipas, que cursou o FILMWORKS na Academia Internacional de Cinema (AIC) em 2006, acaba de ter seu documentário estampado na capa do New York Times. “Kite Fight”, é o primeiro documentário de uma série de filmes sobre esportes não-convencionais que nasceu de uma coprodução entre a revista americana de esportes Victory Journal e a produtora brasileira de conteúdo, na qual Guilherme é sócio, Mosquito Project.

“Fechamos a ideia no South by Southwest Festival em Austin, Texas. A escolha da favela da Rocinha como cenário partiu do Supervisor Criativo da Mosquito, Leandro HBL, profundo conhecedor da periferia carioca devido ao seu premiado documentário ‘Favela On Blast. Recebi o convite para dirigir durante o Rio Content Market deste ano. Lembro que o Lê falou assim: ‘Gui, quer dirigir? Pensei em você porque precisamos que esse filme fique bonito!’ Naquele mesmo instante senti a responsabilidade de representar bem o time e comecei a bolar que tipo de filme ‘bonito’ poderíamos fazer… a resposta foi um documentário poético, não necessariamente expositivo ou argumentativo, mas profundamente preocupado com estética e subjetividade”, conta Guilherme.

Como foi parar na Capa do NYT?!

Kite Fight

Cena de Kite Fight, filmado na Favela da Rocinha.

Guilherme conta que receberam uma proposta do The New York Times: “Como o escritório da Victory também é em Nova Iorque, acabou acontecendo de o pessoal do The New York Times saberem do projeto e se interessarem por ele! Fizeram uma proposta para estrearmos o filme no jornal deles, ao invés de na Victory, e após análise aceitamos. Daqui 30 dias sairá na Victory também.

A Produção

Primeiro a equipe teve uma semana de pré-produção com visitas a possíveis locações e escolhas de personagens. O filme não é um documentário padrão, do tipo tirar a câmera e sair filmado, tudo foi pensado com cuidado. “Lembro que era engraçado, no set, as pessoas da própria equipe diziam pra mim ‘olha aquilo ali, que coisa legal acontecendo! Tem que filmar aquilo!’ enquanto eu, sem dar muita atenção, respondia: ‘Valeu, mas estamos afinando a luz aqui…’. Risos. Entende? Simplesmente não era esse tipo de documentário que estávamos criando, e é um pouco amedrontador estar como Diretor nessas horas. Eu pensava coisas como: ‘Gente, todo mundo falando pra eu fazer A e eu fazendo B, se isso der errado tô ferrado!’ Sem contar que, olha, foi bem rock’n roll, pois subir e descer ladeira com 30, 40Kg de equipamento não é muito fácil, conta Guilherme.

E filmar na Rocinha?

“Dá pra ir até certa parte ‘turística’ mas, onde nós fomos, não se entra sem contatos e autorização. Ponto final. Mas uma vez tudo

“Kite Fight”, é o primeiro documentário de uma série de filmes sobre esportes não-convencionais que nasceu de uma coprodução entre a revista americana de esportes Victory Journal e a produtora brasileira de conteúdo, na qual Guilherme é sócio, Mosquito Project.

“Kite Fight”, é o primeiro documentário de uma série de filmes sobre esportes não-convencionais que nasceu de uma coprodução entre a revista americana de esportes Victory Journal e a produtora brasileira Mosquito Project.

combinado bastou manter a disciplina e tudo correu bem”, conta.

A Produtora

A Mosquito Project fica em Minas Gerais e é uma produtora especialista em produção de conteúdo em áreas de difícil acesso. Criada por um time de profissionais da área conta com Guilherme Tensol e com o também ex-aluno da AIC Mário Di Poi, que fez a pós-produção de som do documentário, através da INPUT Artesonora.

Para assistir ao documentário, clique aqui.

*Fotos frames do filme