Pintando o SET

Uma conversa sobre Cenotecnia, adereços e pintura de arte

O profissional de cenotecnia é quem executa e dá vida aos projetos criados pelo cenógrafo e pelo diretor de arte. Ele é o responsável por estruturar o “esqueleto” cenográfico, criar e construir os adereços que compõe o cenário e realizar a pintura de arte que dará realismo ao ambiente criado, como as paredes, portas e janelas de uma casa velha, corroída pela umidade e pelo tempo. Você já parou para analisar o quanto um cenário ou alguns objetos em uma determinada cena falam sobre o filme? Por trás de cada cenário existe um profissional que dá vida e realismo à cena.

Elias Abraham, Patrícia Cabral e Victor G. Akkas são alguns destes profissionais, que “pintam o set” e fazem cada cena do roteiro virar realidade. Confira algumas das respostas deles, sobre o dia-a-dia de quem fica nos bastidores das grandes produções.

1)      O que faz um profissional de cenotecnia?

Elias: Um bom cenotécnico de cinema domina diversas técnicas de construção, que le permitem fazer trabalhos mais eficientes e em menor tempo. Conhece as propriedades físicas e químicas de materiais como madeira, ferro, plásticos, tecidos, tintas, uma variedade de colas para diversas aplicações, sabe de eletricidade, de mecânica, entre outros. O cenotécnico calcula materiais e tempos de construção, além de pregar, soldar, parafusar, amarrar, arrebitar, cortar e até costurar, se fosse necessário. Ele também sabe cumprir um plano de filmagem em tempo e forma. O cenotecnico tem um olhar técnico, critico, quando enxerga um objeto, fica prestando atenção no material, nas cores, nas texturas, na resistência, qualquer tipo de sistema mecânico… É divertido!

Victor: O cenotécnico deve colecionar técnicas e ferramentas, para se adaptar a qualquer necessidade de construção, seja com ferro, madeira, isopor, fibra de vidro, cimento, e conhecer sobre todos os processos ao redor, luz, roteiro, enquadramento, pintura que vem em seguida, montar e desmontar, copiar e replicar e ter total entendimento sobre o método cinematográfico, o que difere de um marceneiro, carpinteiro ou serralheiro.

2)      Ele trabalha em conjunto com o cenógrafo? Em que momento cada um entra em ação?

Elias: Sim, a verdade que trabalham bastante em conjunto. É o cenógrafo quem faz chegar ao cenotecnico as informações vindas do diretor de arte. O cenógrafo entrega as plantas, os desenhos, as fotos de referencia e até uma decupagem grafica. O cenotácnico estuda o projeto e define o modo de construção.

Victor: Ele se posiciona na frente da equipe da mão de obra, e direciona a construção dos cenários, supervisionado pela cenografia, e direção de arte. Sendo assim, a direção de arte desenvolve o projeto com a cenografia e a cenografia encomenda o projeto com a cenotécnica.

3)      Quem pode trabalhar com cenotecnia?

Elias: Não precisa de uma graduação, basta a vontade de aprender.

Victor: Qualquer pessoa que tenha aptidão para lidar com maquinas, medidas, materiais, saber desenhar ou interpretar as plantas, pois se trata de trabalho manual aplicado. Outra característica é: ser curioso. Um diploma em arquitetura pode acrescentar muito, tornaria um cenógrafo completo, alem de cenotécnico, mas não é regra.

4)      Qual o passo-a-passo da construção do cenário de um filme?

Elias: Primeiro serão decididas as cenas que serão gravadas em estúdio e fora dele. Depois disso, o cenógrafo irá fazer um roteiro com a descrição dos cenários e com as indicações do diretor de arte. Após o aprove do diretor de arte, o cenografo faz o projeto e o cenotécnico coloca a mão na massa, orça os materiais, quantidade de pessoal, tempo etc.

Victor: partindo do roteiro, o cenógrafo concebe os espaços cênicos, dirigido pelos argumentos da direção de arte, detalhes, tamanhos, idades, poéticas, simbolismos, arquétipos, épocas, de todos os objetos, mobiliários, propósitos arquitetônicos etc. O cenotécnico irá desenvolver as estruturas, espessuras e resistências, traki-tanas,  quantidades de materiais para que a produção providencie. Depois da execução fisica do cenário, entra a pintura de arte.

5)      E sobre os materiais necessários para elaborar um projeto?

Elias: Cada meterial é unico. A madeira, por exemplo, é um material dócil, que permite fazer estruturas fortes e resistentes em um tempo mais curto. Já o ferro é bem mais duro, mais demorado… Os plásticos permitem criar diversos adereços ou partes de um adereços, o isopor é fácil de moldear etc. Além desses materiais existem diversos outros, como resinas, latéx, tecidos, tintas, solventes, colas, pregos, parafusos etc. Todo material tem seus pontos fortes fracos, conhecer cada um faz toda a diferença na contrução de um cenário.

Victor: na verdade, os materiais vem depois do projeto, surgem nas conversas da arte com a cenografia, depois com a cenotécnica, pois são como uma tradução técnica da criação, uma interpretação literal.

quando um espaço é decidido pelo roteiro, a direção de arte interpreta, o cenógrafo traduz e o cenotécnico executa.

Paty Cabral: Látex, cal, pigmentos líquidos, pigmentos em pó, pigmentos naturais (chás, café, extrato de nogueira, terra, lodo), óleos, escadas, pincéis, rolos, baldes, jornal, muita água… A lista pode ser bem extensa. Tudo depende das necessidades de cada pintura a ser desenvolvida.

 

Próximo Curso de Capa – Cenotecnia, adereços e pintura de arte:11 a 26 de junho de 2012.