O Curta Virgens ganha prêmio em Los Angeles

Poster-Virgins_27x40_HiRES-2O curta “Virgens”, do ex-aluno Victor Ribeiro, que foi aluno de uma das primeiras turmas do FILMWORKS – o curso técnico em direção cinematográfica da Academia Internacional de Cinema (AIC), acaba de ganhar o prêmio de melhor curta-metragem no Los Angeles Brazilian Film Festival (LABRFF). Este ano, além do filme de Victor, o festival também premiou o curta de Matheus Vianna, chamado “Alegoria da Dor”.

Victor, que já trabalhou na O2 e tem o diretor Fernando Meirelles como sua maior influência, conta que o documentário experimental é sobre o processo criativo da artista plástica Bruna Mayer que pinta imagens de mulheres. “No filme o pincel se alimenta de tinta e se mistura com a tela. Bruna pinta enquanto os olhos das ‘virgens’ a analisam. Aos poucos, somos enfeitiçado por este mundo. A realidade se mistura com a ficção e de repente estamos dentro do universo atemporal. O filme experimenta um formato não muito convencional do gênero documentário, a proposta é colocar o espectador dentro dos anseios da personagem, sem que ela discurse sobre o trabalho. As palavras neste caso não dariam conta de entender uma artista tão conectada com a beleza e com uma visão um tanto quanto narcisista”, conta.

12006416_10205386281711467_4309286820763370540_o

Victor em Los Angeles depois de receber o prêmio de melhor curta.

Victor é responsável pelo roteiro, direção e montagem do curta e a direção de fotografia leva a assinatura do ex-aluno André Fáncio.

A ideia do projeto nasceu quando Victor conheceu Bruna através de uma amiga, há uns cinco anos. Ela mostrou as obras para Victor e confessou que nunca havia mostrado o trabalho pra ninguém. “Fiquei instigado com essa informação e me pareceu um bom motivo para fazer um filme”.

De baixo orçamento, o filme foi produzido metade em São Paulo e metade em Curitiba. “Em Curitiba é muito mais fácil encontrar ‘florestas’ preservadas que ficam a 30 minutos do centro. A cena da chuva e do divã foram gravadas no galpão da Tamanduá Iluminação. O filme levou quase dois anos para ficar pronto, como não tinha grana para finalizar fomos fazendo quando dava. Filmamos tudo em 5d mas graças ao apoio da MYSTICA, conseguimos uma correção de cor que às vezes, dependendo da projeção, até eu me espanto com a qualidade da imagem. Por fim entrou o Renato Navarro para compor a trilha”, conta Victor.

Victor conta que a participação de André Fancio foi fundamental para alavancar a fotografia do filme, “Fancio é visceral em tudo o que faz e o filme precisava disso”.

O filme também entrou na 3ª Mostra Cultura de Cinema Brasileiro no Ceará e num festival no Oregon chamado What The Festival.

TRAILER VIRGENS from Victor Ribeiro on Vimeo.