Lúcia Murat na AIC

A diretora e roteirista brasileira, Lúcia Murat, conhecida pelos seus filmes dedicados a temas políticos e femininos, estará na Semana de Orientação da Academia Internacional de Cinema (AIC), evento que traz cineastas nacionais e internacionais para um ciclo de palestras gratuitas e aberta ao público. Dia 06/03, sexta-feira, na AIC São Paulo e no dia 04/03, quarta-feira, na AIC Rio de Janeiro. Para participar do bate-papo com Lúcia Murat e conhecer os outros convidados, clique aqui (inscrições encerradas).

Seu primeiro longa-metragem, o semidocumentário “Que bom Te Ver Viva” (1988), estreou internacionalmente no Festival de Toronto. Nele depoimentos de mulheres torturadas durante a ditadura militar se intercalam com cenas ficcionais protagonizadas por Irene Ravache. Entre muitos prêmios, o longa foi escolhido melhor filme do júri oficial, do júri popular e da crítica no Festival de Brasília de 1989.

A preocupação política volta em “Doces Poderes (1996), desta vez sob o ponto de vista do marketing das campanhas eleitorais. O filme estreou em 1997 no Festival de Sundance e, no mesmo ano, também foi exibido no Festival de Berlim. Em 2000 lançou “Brava Gente Brasileira”, um coprodução Brasil-Portugal, sobre a relação entre colonizadores e índios no interior do Brasil.

Em 2003 filmou “Quase Dois Irmãos – um drama político sobre o conflito entre a classe média e a favela em três diferentes épocas e situações – que lhe rendeu inúmeros prêmios, entre eles os de melhor direção e melhor filme latino Americano pela Fipresci no Festival do Rio 2004, melhor filme no Primeiro Amazonas Film Festival e melhor filme no Festival de Mar Del Plata 2005.

No Festival do Rio de 2005 estreou o documentário “O Olhar Estrangeiro” e, na edição de 2007, “Maré, Nossa História de Amor”, uma coprodução Brasil-França, selecionado para a mostra Panorama do Festival de Berlim (2008).

Em 2012, lançou “Uma Longa Viagem” – que mistura ficção e documentário, sobre sua juventude e a de seus dois irmãos na década de 1960. O filme foi o grande vencedor do Festival de Gramado, eleito pelo júri, público e crítica. Seu novo longa-metragem de ficção, “A Memória Que Me Contam”, uma coprodução Brasil-Chile-Argentina, foi eleito pela FIPRESCI como melhor filme do Festival Internacional de Moscou de 2013.

Lúcia promete falar sobre seus filmes, em especial “Quase Dois Irmãos”, que será exibido durante a programação do evento. “Quase dois irmãos é um filme que nos permite conversar sobre muitos aspectos do fazer cinematográfico. Trabalhar com atores e não atores. Fazer cenas de ação. Maquiagem especial. E o cuidado que temos de ter quando tratamos com diferentes épocas, não somente na pesquisa e direção de arte como também na caracterização dos atores”, conta.

Lúcia Murat na AIC

Premiada diretora e roteirista de “Brava Gente Brasileira” , “Quase Dois Irmãos”, “Uma longa viagem” entre outros.
Sexta, 06 de março de 2015 – São Paulo
Quarta, 04 de março de 2015 – Rio de Janeiro
17h30: “Quase Dois Irmãos” (dir. Lúcia Murat)
19h30: Bate-Papo com Lúcia Murat

Para participar do evento faça sua inscrição aqui (inscrições encerradas).