Lina Chamie estreia documentário sobre a trajetória de Dorina Nowill

DORINA_cartazA cineasta e professora da Academia Internacional de Cinema (AIC), Lina Chamie, estreia seu último longa-documentário. “Dorina – Olhar para o Mundo”, produção brasileira da HBO, está disponível gratuitamente até o dia 10 de junho no HBO Go e HBO On Demand.

Dorina Nowill

O documentário conta a sensível história de Dorina Nowill, que perdeu a visão aos 17 anos e ao longo da vida lutou pelos direitos de inclusão social das pessoas com deficiência visual. Dentre as conquistas de Dorina estão a criação do curso de especialização para cegos, a criação da fundação responsável por trazer a primeira imprensa braile para o pais e o direito ao voto.

“Dorina foi uma heroína brasileira, tem uma trajetória completamente iluminada. A vida dela é muito mais que apenas uma história de superação. Foi um privilégio fazer o filme, me abriu os olhos. Dorina me ajudou a ver as coisas. Uma mulher cega que me ajudou a ver o mundo de uma forma mais bonita”, conta Lina Chamie.

O Filme

A cineasta também conta que a ideia do filme começou com a neta de Dorina, Martha Nowill, que é amiga pessoal de Lina e produtora e roteirista do filme. “O projeto começou, pois, Martha queria fazer um filme sobre a vida da avó. A HBO se interessou pelo projeto imediatamente, já que o canal tem uma tradição em documentários sociais”.

dorina

“Dorina – Olhar para o mundo” apresenta a pioneira na luta pela educação e inclusão das pessoas com deficiência visual no Brasil e no mundo

Sobre a linguagem do filme Lina diz que se trata de um filme em primeira pessoa, já que existia um arquivo pessoal imenso da Dorina falando, dando entrevistas. Martha, a neta, gravou trechos da biografia de Dorina, como em um livro gravado. “Fazer o filme foi um desafio muito prazeroso para mim, pois ele veio de encontro com as minhas crenças de linguagem. Nas minhas aulas eu falo muito de SOM, para mim, ele é um elemento primordial, tão ou mais forte que a imagem. Esse é um filme sobre pessoas que não enxergam, então, ele se dá quase que inteiramente no som, se você fechar os olhos, você irá compreender o filme perfeitamente. Existem momentos que não enxergamos as cenas, apenas as ouvimos, a ideia era que o espectador percebesse o mundo pelo som e não pela imagem”, conta a diretora.

A cineasta paulista e professora da AIC, Lina Chamie, reconhecida pela sua poética cinematografia

A cineasta paulista e professora da AIC, Lina Chamie, reconhecida pela sua poética cinematografia

Além da questão do som, Lina homenageia filmes famosos que tratam sobre o assunto da cegueira, como “O Ensaio Sobre a Cegueira” (Fernando Meirelles), “Hoje eu Quero Voltar Sozinho” (Daniel Ribeiro), “Perfume de Mulher” (Dino Risi / Martin Brest) e “O Milagre de Anne Sullivan” (Arthur Penn).

O filme está disponível gratuitamente na aba Experimente da plataforma HBO Go e no HBO On Demand, na plataforma Now (Net) e deve seguir ainda este ano para os canais da HBO nos demais países da América Latina.

Trailer