George Moura compara roteiros a metamorfose das borboletas

IMG_7555O roteirista George Moura esteve ontem (17) na Semana de Orientação da Academia Internacional de Cinema (AIC), no Rio de Janeiro. O evento começou com a exibição do filme “Getúlio”, roteirizado por George Moura e dirigido por João Jardim e terminou com um bate-papo comandado por George. Além de falar sobre o filme o roteirista deu dicas valiosas para os roteiristas de plantão.

Moura começou brincando com a plateia: “Nós roteiristas vivemos em nossa caverna, escrevendo. Quando saímos ficamos até meio desengonçados”. Como todo bom contador de histórias e como se o seu discurso estivesse projetado para seguir uma boa curva dramática, ele ganhou o público, que parecia hipnotizado.

Contou sobre como começou a sua parceria com o diretor João Jardim no programa Por Toda a Minha Vida, da rede globo, e sobre todo o processo de roteirização do filme “Getúlio”. “Quando João me convidou para esse projeto, parecia impossível fazer um filme sobre a vida de Getúlio. Afinal, existem versões contraditórias da história e nós não queríamos retratar o já sabido. Queríamos lançar uma luz sobre a vida privada do político. Outra questão era: como não fazer um filme laudatório e parcial? Foram vários os pontos pensados… Acho que daria para fazer pelo menos mais dois filmes, um sob a perspectiva do Lacerda e outro do Gregório Fortunato”.

IMG_7546Ainda sobre as dificuldades do roteiro, revelou as dúvidas iniciais que surgiram com o projeto, já que o filme não contém nenhuma história de amor e o antagonista e o protagonista não se encontram em nenhuma cena.

Confessou ter ficado muito feliz com o resultado final, principalmente ao saber que o filme atingiu mais de 700 mil espectadores no cinema.

Processos como roteirista

Questionado sobre seus processos de trabalho, George Moura resolveu ler um trecho da obra do livro “A Linguagem do Cinema”, de Jean-Claude Carrière, que diz que quando as filmagens terminam, os roteiros acabam em cestas de lixo. O autor compara esse processo a transformação de uma lagarta em borboleta.

IMG_7664“O roteiro não é o último estágio de um percurso literário. É o primeiro estágio de um filme. (…) Um roteirista tem que ser muito mais cineasta do que romancista e precisa ter em mente o tempo todo que o que ele escreve está fadado a desaparecer, que uma metamorfose indispensável o espera. (…) Em algum momento do processo, o roteirista deve ser capaz de se distanciar da devoção pelo seu trabalho, transferindo todo o seu amor para o filme. Assim, quando ele sair do estúdio, no último dia de filmagem, será capaz de olhar para as cestas de lixo sem nenhum pingo de amargura”.

Por fim aconselhou os roteiristas a lerem todos os manuais de roteiro e depois esquece-los. Ver todos os filmes, mesmo os ruins, mas nunca os copiar. “O estilo é o teto onde o artista bate a cabeça”. E finalizou, “Trabalhem muito. Não posso deixar de citar a famosa frase de Picasso, quando um jornalista lhe questionou sobre ter mais sorte que talento. ‘Quando a sorte veio estar comigo me encontrou trabalhando’. Por isso, trabalhem, tenham obsessão por reescrever”.

*Fotos: Karol Salldanha