Fernando Coimbra fala sobre O Lobo Atrás da Porta

DSC04243Na abertura da Semana de Orientação 2016 da Academia Internacional de Cinema (AIC) em São Paulo, o cineasta Fernando Coimbra falou principalmente sobre o processo de criação do aclamado longa-metragem “O Lobo Atrás da Porta”, além da participação na série “Narcos” e seu próximo lançamento, a produção norte-americana “Sand Castle”, prevista para esse ano.

Coimbra começou falando sobre como entrou em contato com a história real da “Fera da Penha” ao ler uma edição dos anos 60 da extinta Revista Manchete em 1999. Intrigado por aquela história, ele viajou para o Rio de Janeiro e fez extensa pesquisa em jornais da Biblioteca Nacional. Depois, com acesso ao processo judicial, pode confrontar os diversos pontos de vista dos personagens que participaram daquele relato. Coimbra produziu um primeiro roteiro, o qual foi diversas vezes modificado ao longo dos anos em que se dedicou à realização de vários curtas-metragens, como “Trópico das Cabras”. A experiência acumulada nos mais variados curtas preparou-o para lançar-se no terreno do longa metragem.

DSC04259Em 2009, o projeto venceu edital de produção de filmes de baixo orçamento. Com um novo roteiro mais enxuto, partiu para a realização. Quando perguntado sobre a diferença entre dirigir um longa e um curta, Coimbra valeu-se de uma associação: o curta equivale aos 100 metros rasos, enquanto que o longa compara-se a uma maratona. E sobre o título, ele revelou que se inspirou em uma música da banda Radiohead: “The Wolf at the Door”.

Finalizado em 2013, “O Lobo Atrás da Porta” fez bela carreira em festivais nacionais e internacionais, recebendo mais de 20 prêmios ao redor do mundo. No ano seguinte, foi lançado comercialmente pela Imagem Filmes. E em 2016, o filme continuou rendendo frutos. Coimbra foi indicado ao prêmio de melhor diretor estreante pelo Directors Guild of America.

DSC04198Questionado sobre o trabalho com o elenco, Coimbra enfatizou sua própria experiência como ator no Teatro Oficina, onde permaneceu por dez anos. Explicou que as principais cenas do filme foram ensaiadas à exaustão, com um denso trabalho de mesa. No set, pôde explorar a espontaneidade das atuações em elaborados planos seqüência, registrados com sensibilidade pelo fotografo Lula Carvalho, parceiro de diversas produções.

Coimbra também respondeu perguntas sobre a transição de um longa autoral para a série “Narcos”, produção milionária do Netflix, na qual dirigiu dois episódios. Em relação ao “Lobo”, destacou o curto tempo de preparo para dirigir os episódios e o tempo ainda mais enxuto para entregar seu corte aos produtores – uma semana.

Finalmente, ele explicou como foi a ponte para o cinema internacional por meio dos agentes que conheceu no Festival de Toronto, na ocasião do lançamento do “Lobo”. Recebeu diversas propostas de Hollywood, sendo que uma vingou: o drama de guerra “Sand Castle”, em etapa de pós-produção.

*Texto: Paulo Marcelo do Vale Tavares
*Fotos: Raissa Nosralla